sexta-feira, 1 de maio de 2009

Cadê você, Conceição?

Cadê você, Conceição
a sertaneja simples,
bela de ignorância
sadia e bela?

Você é a sepultura
da menina boa que você era.

Aracaju, na fantasia infeliz
do seu sonho de menina,
a cidade imensa, misteriosa,
enfeitada de luzes multicores,
como na cidade lendária,
acabou com você,
matou sua graça,
menina da roça!

Essa casa grande que você mora
é uma tapera,
muito mais tapera
que sua casa de palha
que ficou vazia de sua graça.

A cidade pequena onde você nasceu
espera o dia de sua volta
como um dia de festa
porque não sabe que você morreu.

Não volte nunca mais
à cidade pequena onde você nasceu,
porque, todos dirão,
olhando para você:
cadê você, Conceição?
Conceição, cadê você?


José Sampaio
Revista de Aracaju Ano XIX nº 7, 1962.

Um comentário:

Anônimo disse...

gostaria de saber quem é o autor da poesia.