quinta-feira, 24 de setembro de 2009

CORPO DE BOMBEIROS MUNICIPAIS DE ARACAJU


Tenente Amintas Barreto Alves.
BARRETO, Armando. Cadastro industrial, comercial e informativo de Sergipe - 1938.




Logomarca do Corpo de Bombeiros Militar de Sergipe.



Desfile de 7 de Setembro - 2009.



Fachada do Prédio do Corpo de Bombeiros - Foto atual.
Foto: José de Oliveira B. Filho.






Fachada do Prédio do Corpo de Bombeiros - Foto atual.
Foto: José de Oliveira B. Filho.







Caminhão do Corpo de Bombeiros - 1948.
MELINS, Murillo. Aracaju romântica que vi e vivi anos 40 e 50 . 3ª ed. Aracaju: Unit, 2007.







Enfermaria do Corpo de Bombeiros.
Revista de Aracaju - 1962 nº 7.






Caminhão Auto Bomba F-600 1961 - Corpo de Bombeiros Municipais.
Revista de Aracaju - 1962 nº 7.






Escola General Maynard Gomes.
Revista de Aracaju - 1954 nº 5.





Alunos da Escola General Maynard Gomes.
Revista de Aracaju - 1954 nº 5.







Oficinas de Sapataria e Alfaiataria - Corpo de Bombeiros.
Revista de Aracaju - 1954 nº5.





Companhia de Bombeiros Municipais.
Revista de Aracaju - 1954 nº 5.







Aspecto interno - Pátio do Corpo de Bombeiros e Soldados.
BARRETO, Armando. Cadastro industrial, comercial, agrícola e informativo de Sergipe - 1938.





Fachada do Prédio do Corpo de Bombeiros.
BARRETO, Armando. Cadastro industrial, comercial, agrícola e informativo de Sergipe - 1938.






Trecho da Rua Siriri - Prédio do Corpo de Bombeiros
Acervo Fotográfico Vereador Narcizo Machado.





CORPO DE BOMBEIROS MUNICIPAIS DE ARACAJU




Em Mensagem à Assembléia Legislativa, datada em 7 de setembro de 1920, o Sr. Presidente, o Dr. J.J. Pereira Lobo, reconheceu "a necessidade de uma secção de bombeiros no Corpo Policial que ficou, ultimamente manifestada pelo incêndio ocorrido na "CASA CELESTE", localizada no ponto mais central do comércio desta Capital, completamente destruída pelo fogo, com grave risco para os estabelecimentos que lhe ficam contíguos, os quais não foram atingidos, devido à ação decidida da Polícia, dos tripulantes do vapor - TAQUARI - e de diversos populares que conseguiram circunscrever o fogo ao prédio sinistrado auxiliados por forte aguaceiro que no momento desabou".
Foi, então, criada a Secção de Bombeiros pela Lei nº 791 de 1º de outubro de 1920 anexa à Polícia Militar do Estado, sancionada pelo Presidente.
Entetanto o Interventor Federal - Capitão Augusto Maynard Gomes, resolveu extinguir por Decreto nº 26, de 5 de fevereiro de 1931, a referida Secção.
Mas, por outro Decreto nº 50, de 3 de junho de 1931, abriu um crédito especial para ocorrer às despesas com aquisição de maquinismos a fim de de equipá-la, comissionando o 2º sargento do Corpo de Bombeiros do Distrito Federal - Amintas Barreto Alves, devidamente requisitado, no posto de 1º Tenente da Força Pública para comandar a mesma Secção de Bombeiros, que continuou subordinada à Polícia Militar, e reorganizada.
Autoriza a Lei nº 10, de 2 de dezembro de 1935, o Senhor Governador do Estado a entrar em entendimentos com o Prefeito da Capital para aquisição pelo Município do Material pertencente à referida Secção, cuja extinção foi definitiva em face do Decreto nº 35, de 3 de janeiro de 1936.
Após os citados entendimentos, o Sr. Prefeito Godofredo Diniz criou a Companhia de Bombeiros, de conformidade com o ATO nº 87, de 29 de novembro de 1935, respeitados os direitos adquiridos, e fixando o efetivo em 63 homens.
No Govêrno - Dr. Roosevelt Menezes - foram sancionadas as Leis, que reestruturaram a Companhia, introduzindo modoficações substanciais.
Sob o nº 58, de 7 de outubro de 1955, entrou em vigor a Lei Orgânica supletiva e reguladora e sob o nº 73, de 21 de novembro do mesmo ano, fôra transformada a Companhia em CORPO DE BOMBEIROS MUNICIPAIS DE ARACAJU.

TEXTO: Revista de Aracaju - 1962, nº 7.



Em 1973, o Decreto n° 2005, de 15 de fevereiro daquele ano, cria uma comissão de estudos de viabilidade para a integração do Corpo de Bombeiros Municipais à Policia Militar do Estado.
Em 1984, através decreto lei de absorção dos recursos humanos e materiais, o governador da época Dr. João Alves Filho, determinou que o Corpo de Bombeiros, até então municipal, fosse incorporado a Policia Militar do Estado, sob a denominação de Corpo de Bombeiros da Polícia Militar do Estado de Sergipe e com estrutura de Batalhão.
Em 23 de dezembro de 1999, por força de Lei nº 4.194 de 23 de dezembro de 1999 no governo de Albano Franco, a corporação adquiriu autonomia administrativa, desvinculando-se da Polícia Militar, tornando-se dessa forma, diretamente subordinada a Secretaria de Segurança Pública. Foi ainda, nesse ano que o Corpo Feminino foi incorporado na instituição.
Atualmente, o efetivo do CBMSE está fixado em 1.193 (hum mil cento e noventa e três) Bombeiros Militares (Lei nº 5.653 de 16/05/2005), não obstante, o efetivo existente é de 600 (seiscentos) militares.




4 comentários:

luiz barreto disse...

Meu nome é Luiz Arthur Santos Barreto,e é com muito orgulho e muita HONRA que digo: sou filho do capitão AMINTAS BARRETO ALVES digno comandante(na época)do bravo CORPO DE BOMBEIROS DE ARACAJU, homens que infelismente não existem mais.
Muito respeitosamente assino:
Luiz Arthur Santos Barreto.

Marcos Barreto disse...

Eu sou Marcos vinicius Felix Barreto,do Corpo de Bombeiros do Rio de janeiro, 2ºTen BM Felix Barreto. Fiquei muito emocionado por ver um pouco da história de meu avô AMINTAS BARRETO ALVES nesta corporação em Aracaju. Trilho um caminho na corporação sempre refletido na minha origem, que tanto ouvi falar com tanto entusiasmo pelos que o conheceram e pelas homenagens prestadas a ele. Tento traçar meus passos tão fortes e produtivos quanto foram os dele.

Marcia Claudia disse...

Meu nome é Marcia Claudia Felix de Araujo, sou neta de Amintas Barreto Alves, fico muito feliz em saber a respeito dos feitos do meu avô que está sendo passado por gerações, fomos criados ouvindo minha avó falar sobre a coragem dele e agora podemos mostrar a seus bisnetos que homem honrado foi ele. Agora, temos o meu irmão trilhando o mesmo caminho do nosso avô.

Anônimo disse...

meu nome é Luiz Tadeu Santos Delfino, com muito orgulho digo que sou bombeiros desde 1990, e se eu pudesse teria gurdado todas as historia e bens da corporação para montagem do museu deos bombeiros de sergipe.